Top Social

[[[ Por Frutinha - Vânia Filipa ]]]

Porquê da Dieta. Porquê do exercício.

26 de março de 2014
Algures em 2012 se não me engano, vi-me forçada a ir ao médico. Um conjunto de situações e de sintomas colocaram-me alerta e terminaram mesmo com dores fortes e intensas no coração.
Consulta, exames, analises, mais outra consulta e o resultado: inicio de uma depressão. Agora que olho para trás e me lembro do antes da consulta, acho que me deveria ter percebido que algo não estava bem, bem antes das dores. A falta de vontade de sair de casa era de tal forma que um fim-de-semana fechada em casa agarrada a filmes parecia-me muito mais interessante que uma saída com amigos. Enfiar-me em centros comerciais então era uma dor e chegava mesmo a sentir falta de ar. Evitava ao máximo e passaram-se meses sem fazer uma compra superfula que nós mulheres tanto adoramos, entrar em qualquer tipo de loja estava simplesmente fora das minhas intenções. Um outro sintoma era a necessidade extrema de silêncio; ouvir pessoas a falar incomodava-me, e  muito; as pessoas falarem para mim então era como se me tivessem a espetar facas e havia momentos em que só me apetecia dizer "calem-se". Mas não, não liguei a nada, e sempre achei que era só o meu mau feitio a falar mais alto. Até as dores chegarem, e ai si, parei.

Medicação de cavalo durante meses. Medicação que me deixava mais calma mas muito sonolenta e por isso mexia-me o mínimo possível. Já podia ouvir as pessoas e até mesmo conversar com elas, desde que me deixassem dormir. Dormir muito, dormir a toda a hora; à noite, à hora de almoço, assim que chegava do trabalho. Dormir era a coisa que me dava mais prazer.
Claro que meses e meses assim, foi uma bola de neve e fui engordando.

Eu sabia que estava a engordar, via-o quando me olhava ao espelho, sentia-o quando me vestia. Passei de um 34 para um 42 em coisa de um ano. Sabia que estava mal, mas sentia-me calma demais para me preocupar com isso, para me meter ao trabalho e mudar isso. 

Até que, uma pessoa no trabalho que me conhecia há anos e anos, desde o meu tempo de garotinha; entrou no escritório e passado uns dez minutos se dirige a mim e diz 
"Desculpa nem te ter dito nada, mas na verdade não te reconheci. Está muito mais forte"
Isto saído da boca de um senhor na casa dos cinquenta anos, caiu que nem bomba e fez-me parar para pensar "secalhar estou mesmoooooooo gorda"

Uma semanas depois fui de férias. Pleno Agosto e uma semana de praia. Muitas fotos. 
Quando cheguei a casa e vi as fotos foi o drama.... o horror. Eu não estava gorda, eu estava para lá de gorda, eu estava uma bola e estava decidida a mudar isso.

Uma semana depois inscrevi-me no ginásio e comecei no dia seguinte. Mesmo detestando ginásio, estava decidida a mudar isso.
Aprendi a gostar de ginásios, de exercício. Aprendi a comer melhor.
Desde ai que tem sido uma luta todos dias. 
Hoje adorooo o ginásio e só não vou todos dias porque o corpo ainda não aguenta. A alimentação ainda hoje é o mais difícil, e dou por mim a pensar "não podes comer isso, não podes comer isso" e a fazer esforços terríveis para não cometer facadas na dieta, até porque quando como coisas que não devo ando diasss a sentir-me culpada.

7 meses depois, tenho menos 6kg e já visto o 38.
Ainda falta um bom bocado, mas mais que isso falta habituar-me a estas novas regras, a esta nova vida. Tanto esforço não podem cair em poço fundo mais tarde.
9 comentários on "Porquê da Dieta. Porquê do exercício."
  1. A medicação para a depressão também faz engordar/inchar. Com o tempo e esforço vais conseguir voltar ao que eras.

    ResponderEliminar
  2. Acima de tudo os meus parabéns por falares publicamente sobre a tua situação. Não deve ser fácil escrever sobre isto mas através da tua história poderás ajudar e encorajar quem já passou ou passa por isto.

    ResponderEliminar
  3. @Cinderela: sim é verdade. Dai o esforço ter de ser redobrado porque continuo a fazer a medicação :/

    ***

    @APimenta: confesso que durante quase 1 ano me custava imenso falar disso. Sempre que tocava no teme ficava com lágrimas nos olhos. Hoje felizmente encaro as coisas com mais naturalidade :)

    ResponderEliminar
  4. Falas com tanta naturalidade do problema!!! Eu já não posso dizer o mesmo! Não admito a quase ninguém, que tomo ansiolticos, tenho vergonha!

    A dose é muito pouca mas realmente dá-me uma qualidade de vida! Eu já não vivia, sobrevivia. Vivia sozinha na altura e ir ao super.mercado, que ficava em frente à minha casa, era uma martírio! Ia com um calmante no bolso para alguma eventualidade! já não conseguia ir a centros comerciais e nem me apetecia conviver com ninguém!
    O meu namorado foi incansável e sempre me apoiou.
    Assim que começei a melhorar fiquei com vontade de ir comprar roupa e a tratar de mim!!!

    Agora estou na recta final da gravidez e ando ansiosa. Noto que alguns dos sintomas que tinha estão a voltar, mas associo a esta fase!!!

    HG

    ResponderEliminar
  5. @HG: nem sempre foi fácil, aliás no inicio alem de vergonha tinha receio da reacção das pessoas. Depois percebi que nao valia a pena esconder, que aceitar que estava numa fase má e dá-lo a conhecer era parte da cura.
    O que mais me custou, confesso, foi a reacção de algumas pessoas menos chegadas, que ficavam com aquele ar "mas depressão porquê? tens uma vida tão normal"
    Confesso que ainda hoje essa é a unica coisa que me chateia, a falta de compreensão por parte de algumas pessoas.

    ResponderEliminar
  6. Frutinha,

    as depressões e todas as doenças do foro psicológico ainda são vistas como não doenças." Não dói nem um braço nem uma perna, não dói nada para quê arranjar doenças. Isso são os médicos que inventam coisas para as pessoas lá irem mais vezes!" É aquilo que oiço muitas vezes.

    Mas há cada vez mais pessoas com estes problemas, devido à sociedade actual em que estamos inseridos.
    HG

    ResponderEliminar
  7. Revi-me no primeiro paragrafo, só que em vez de ser um fim de semana sem sair de casa era logo às semanas inteiras. Hoje tomo um comprimido todos os dias e vou à psicóloga de vez em quando.

    Fico contente por teres superado a tua depressão e por teres encontrado no desporto um "amigo".

    Continua :)

    ResponderEliminar
  8. Descobri a tua página à poucos minutos, e estava a lê-la por motivos completamente diferentes (li um comentário teu a outra página onde falavas de orcamentos para construção duma casa, e foi assim que vim aqui ter! eheh). E encontrei isso. Devo dizer-te que me falaste ao coração. É muito fácil julgar as pessoas quando não sabemos por o que passaram.
    Por estares de dieta pus-me logos com preconceitos que "é daquelas com a loucura do verão que se maltrata para ficar magra, seja qual for o custo para a saúde". E não podia estar mais errada. Ainda bem que existem pessoas como tu para provar a pessoas como eu que nem tudo é o que parece.
    Estou extremamente impressionada com o teu percurso e com a tua força de fazeres o teu melhor por ti :) beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. @NadineCordeiro: obrigado pelo teu comentário e testemunho. Costumo dizer que só quem passa por "elas" é que compreende o sentimento que nos invade.
    Muita força e sorte para ti tambem :) :)

    ***

    @Agnes: Obrigado por parares por aqui e teres deixado o te comentário. É verdade, estou de dieta e a praticar desporto por questões de saúde, não foi uma doideira que me deu de ficar magra de um dia para o outro. :) :) alias, perder peso é bem difícil, ui ui... pelo menos de uma forma saudável! :)
    Espero que continues por cá.

    ResponderEliminar

Desabafa que faz bem à alma