Featured Slider

Ja somos três

Bem, já perdi a conta às vezes que estive para vir aqui, mas umas vezes falta a vontade e noutras 99% vezes falta-me o tempo.

O nosso princepe já nasceu e tem sido uma viagem avassaladora. Tenho tanto para contar que ate tenho medo que isto se torne num enorme testamento e por isso o melhor é dividir toda esta experiência por varios post, ou a coisinha vai ficar assim para o longa.

Para já posso vos dizer que tem sido os dois meses mais dificeis da minha vida mas tambem os mais repletos de amor.
Nao há palavras para o amor por um filho.

Da Gravidez

Como andam as coisas?
A levar injecções no rabinho todos dias durante uma semana.
E mais não digo.
Acho que entretanto o meu rabo parece um escorredor de tão esburacado que está.

A Gravidez continua atribulada.

A saga da gravidez continua. Já disse, com uma gravidez de treta só posso ter um parto abençoado.
A fazer quase um mês que estou de cama, sexta feira acordei cheira de dores. Na realidade já na quinta que me estava a atacar mas nem liguei muito. Não eram dores na barriga, não sou assim tão doida e irresponsável, eram dores numa das virilhas e como estou sempre deitada não liguei porque associei a isso.
Sexta acordei com dores...... foram piorando, ao ponto de depois de almoço tentar ir ao wc e nao ser capaz. Fiquei parada a meio caminho porque sentia uma dor taaaaoooo forte casa vez que mexia a perna um milímetro que fosse e desatei a chorar, sozinha em casa, ali no meio da casa. Acalmei-me, respirei fundo e arrastei-me literalmente para o wc. Era isso, ou fazê-lo ali mesmo no chão.
Voltei a deitar-me e pelo caminho a dor voltou a atacar-me, desesperei.
Mandei mensagem à minha médica, que me respondeu de imediato que devia ir para as urgências para ser vista e medicada. 
Entrei em pânico. Eu estou só de 29 semanas!!! A criança não pode nascer! Chorei, berrei, solucei. Peguei no telemóvel e liguei ao homem. Nunca lhe ligo durante o horário de trabalho. Ele atendeu, eu de tanto chorar e soluçar nem conseguia falar.

Hope

Hoje foi um dia difícil para mim, digo foi porque, entretanto, já me passou, valha-me isso, as neuras como veem também vão.
Há dias difíceis por aqui, e hoje foi um deles. Passar o dia sozinha em casa agarrada a uma cama/sofá não é fácil. Se está sol, olhamos pela janela e desejamos estar la fora a aproveitar a bela da primavera. Se está chuva ficamos com uma neura tremenda. Estar agarrada a uma cama/sofá é uma valente porcaria.
Se podia ser pior? claro que podia. Podia ser tãaao pior. Podia correr tudo mal, podia estar numa cama de hospital e sei lá eu o quê, ainda assim, é mau. Alias não é mau, é difícil!
Tenho dias em que estou bem e nem dou pelas horas passarem, quando dou conta já passou o dia, já é noite e já tenho com quem conversar. Tenho outros dias em que os segundos parecem horas a passar. Dói-me o corpo, as pernas parecem balões de tão inchadas que está e a alma dói-me. Sim, mais que o corpo, as vezes dói-me a alma.
Estou a cumprir a risca o que a medica me disse, de tal forma que estou ansiosa pela próxima consulta e com uma pinguinha de esperança que isto melhore, que melhore não para andar feita dondoca pela rua, mas que melhore, sei la, o suficiente para por exemplo fazer as refeições a mesa como uma pessoa normal, em vez de deita envolta em não sei quantas almofadas.
Tem dias que são difíceis, mas depois penso no bem maior, penso também nas tantas mulheres que passam por situações bem piores que a minha, tão piores. Deixo umas lagrimas cair, limpo-as, engulo outras, faço festinhas na barriga e falo para ele e assim num rapidinho parece que tudo melhora.